2ª Edição 2016

Micro e Minigeração Distribuída no Setor Elétrico


Em 2015, as energias renováveis tiveram um crescimento recorde mundial, segundo a Agência Internacional de Energias Renováveis (IRENA). Com essa perspectiva, no Brasil, alguns consumidores iniciaram a adoção de pequenos sistemas que possuem capacidade de produzir energia elétrica a partir das fontes mais limpas. Conhecidos como micro e mini geração distribuída, eles são instalados diretamente nas residências e conectados a rede de distribuição.


Existe uma classificação específica para esses sistemas. A microgeração é definida como a geradora de energia elétrica com potência instalada menor ou igual a 75 kw e a minigeração com potência superior a 75 kw e menor ou igual a 3 MW para fontes hídricas ou menor ou igual a 5 MW para cogeração qualificada.


Em 2012, a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) publicou a Resolução Normativa nº 482/2012, revisada no final de 2015, que estabeleceu as condições gerais para o acesso aos sistemas de distribuição de energia elétrica e criou o sistema de compensação de energia, que permite ao consumidor instalar pequenos geradores em sua unidade consumidora e compartilhar energia com a distribuidora local. Na prática, a norma garante que se em um determinado ciclo de faturamento a energia injetada na rede pelo micro ou mini gerador for maior que a consumida, o cliente receberá um crédito em energia (kWh) que poderá ser utilizado nos próximos 60 meses. Este crédito pode inclusive ser aplicado em Unidades Consumidoras diferentes do mesmo cliente na aérea de concessão da Distribuidora.


Hoje, existem 2.512 conexões de mini e micro geração no país, sendo que 99 estão na área de concessão da Elektro. As primeiras solicitações para a empresa surgiram apenas em 2014, dois anos depois da publicação da regulamentação e após última revisão da Resolução Normativa nº 482/2012 em Setembro/2015, contabilizamos um crescimento de 65% das unidades ligadas. De acordo com a ANEEL, em 2024 no Brasil serão mais de 1 milhão de conexões, equivalente a 1,5% da previsão total de consumidores para o setor.